A terrível e emocionante tarefa de relacionar-se

Relacionar-se é, por definição, necessário. Ninguém vive sem ajuda de ninguém; ninguém se cria sozinho. Isso poderia exercitar naturalmente nossa humildade; mas com o avanço da idade, penso que isso tende a diminuir consideravelmente. Pensamos com uma individualidade liberal, desconsiderando todos os Freuds e os Wallons que existem por trás de cada ato individual, único e individualista.

Para mim, relacionar-se é frustrar-se muitas e muitas e muitas e muitas vezes. Eu não sei se ceder é ordem natural das coisas, mas sei que me custa muito. Ver as coisas pelo lado racional ou por outro ponto de vista (que não o meu), também: custa, custa, custa (!). Sempre tenho a impressão de que cada passo que dou em prol das relações é um abismo de esforço — e o pior, é mesmo, é um esforço cada dia mais sobre-humano, para mim. Nunca sei se eu é quem sou a estranha ou se isso é inerente aos seres humanos.

Ultimamente, tendo a dizer que isso é muito humano. E explico: não apenas eu, mas quase todas as minhas relações super-diretas tendem a se defender, usando a sua racionalidade. Por muito tempo, eu me achei racional e usava esse artifício. Hoje, não consigo mais acreditar nisso: tudo o que faço, na hora de me relacionar com outrem, é tentar defender minha vontade sobre a outra vontade, sem ter nenhuma razão e nenhuma lógica nos desejos. É tudo um jogo de interesses e de frustrações. Quando digo que meu ponto de vista é racional e lógico, sei que estou sendo cínica, comigo e com o outro.

Ainda não entendo por que seguimos nessa dinâmica; por que essas pessoas continuam sendo tão importantes, mesmo eventualmente nos ferindo; por que não trocamos a via do jogo; por que não conseguimos viver sozinhos. Talvez seja instinto de sobrevivência, talvez seja uma tendência genética de nos sublimarmos dia-a-dia, não sei.

Sei que se frustrar para ver o outro contemplado é um saco. Mas cada dia que passa, penso que isso é a vida, mesmo. Sei que daqui há pouco é o contrário: mas o contrário eu — e toda a humanidade — não enxergo, vejo só onde me dói o sapato. Isso é tão humano e tão sórdido, que às vezes penso que os cachorros são, mesmo, mais evoluídos do que nós: se doam por nada ou por muito pouco.

Mas a cada dia que passa, percebo que as pessoas que amamos não são quem nós queríamos que fossem. Eu sei que estou dizendo algo quase infantil, mas ver as relações dessa forma me parece mais adulto a cada dia. Existe um hiato abissal entre a vontade e a realidade. Vejo que essas pessoas que amamos não topam tudo por nós. Quando olho mais de perto, penso que nem eu topo tudo por elas, e nem topo tudo por mim mesma. Não me reconheço diariamente, apesar de me esforçar incessantemente para me enxergar com lente de aumento. E é essa dinâmica de deixar-se levar, junto com uma preguiça habitual e com os comodismos diários que nos levam para frente nas relações. Para nossa sorte é dessa forma: poderia ser, ainda, pior.

Ser sincero nas relações pode até ser louvável e recomendável. Pode contribuir, pode ajudar. Mas equacionar vontades e gênios — com ou sem sinceridade — é a única virtude que eu gostaria de ter e a única virtude que eu gostaria de receber.

.

.

.

.

.

==> EM TEMPO:

Trilha sonora do post: Meu fado meu, de Mariza:

A letra tem tudo a ver com Fernando Pessoa e Cesáreo Verde! Fala de saudade, solidão e constituir-se como pessoa. Não linka exatamente com esse post, mas letra+música são emocionantes.

Anúncios

Marina – de Tito Paris

Não conhece o Tito Paris? Corre para o e-mule descobrir quem é esse homem!

Marina flor querida
Pa mi bô ê tudo
Na vida
Mi ja`m crebô
Até more
Amor ligria e paz
Nha flicidade ta na bô mon
Um ca podê vive sem bô

Bô ê um ser cheio
D` humanidade
Qui Deus manda pa mundo
Pa consolança
D`nha tristeza
Bô ê um santa sem igual
Bô ê nha consolança
J`am crê oiob na nha altar

Sô ma bô um tem fé
Pamod nha luz ta na
Bô coração
Dia quel raiá
Ê um esplendor
De amor na nôs vida

Caros amigos, de novo!

Acabei de pegar a Caros Amigos de fevereiro, com Marcos Bagno na capa. Li metade da entrevista, mas ele é um cara controverso. Tem coisas que ele diz que eu concordo plenamente, mas há outras que eu não suporto até chegar o fim da frase.

Sempre digo que o mérito desse cara é popularizar a discussão lingüística entre  vários setores da sociedade, mas discordo veementemente dessa coisa de aceitar quaisquer falares, porque tudo é lindo (como diria o Caetano). A norma da língua garante unificação lingüística, ainda que pela força e ainda que a norma não suporte pressões por muito tempo. É como um remédio paliativo, mas necessário.

Bem, vou tentar formular opinião sobre o Bagno. Enquanto isso, deixo vocês com o link do saite dele, que tem a entrevista da Caros (ou parte dela, pelo menos) e a descrição do Bagno na Wikipedia…

capa-acor-bagno.jpg

Tchekhov ou Tchekov?

Aproveito o blogue para dar a dica de leitura. Tenho lido Tchekov nas últimas semanas, quase um conto por dia — quando dá. Infelizmente o ritmo de leitura está meio lento; mas, por outro lado, vale a pena curtir o livro aos poucos.

O livro dele que eu havia lido anteriormente, uma coletânea de contos, era muito bom. Mas eu ainda não consegui terminar o último conto, para não acabar o livro. O último conto, bastante longo, sobre um sanatório, é de uma beleza literária, uma literatura tão fina, que o leitor quer saborear todo o escrito, sem chegar ao final. Aliás, nos contos de Tchekov, o final é o menos importante. Sua literatura é muito humana e verossímil. Assim, esse conto do sanatório capta com tanto detalhe e cuidado o ambiente descrito, que parece uma real incursão no mundo imaginário criado pelo autor.

O livro que estou lendo tem contos mais curtos, mas igualmente geniais. Não sei o título, mas isso também não importa. Ler qualquer coisa de Tchekov é desbravar um dos melhores contistas da literatura mundial, considerado por alguns estudiosos como a referência da base do conto moderno, ao lado de Machado de Assis e Edgar Allan Poe.

Os contos de Tchekov não são de identificação, mas de verdades. As pessoas descritas não são arquétipos das que conhecemos, ainda que possamos comparar com o mundo real. São seres tão complexos e tão completos que espantam tamanho detalhe de construção, mesmo em contos curtos. O autor detalha o personagem descrito e permite a imaginação na mesma medida.

Os enredos não são peripécias, são fatias de vida real, onde não há começo e não há final de episódios. Os personagens podem ou não se transformar, mas Tchekov fala de cotidiano, de relações, de interioridade humana, mesmo escrevendo em outra época, pouco parecida com a nossa.

Bem, a dúvida que tive, para escrever esse post, é da grafia do nome do autor. Na Wikipedia, no mesmo artigo, aparece Tchekov e Tchekhov. Deixo o link da Wikipedia sobre a vida do cara e espero que vocês corram para ver qual é desse russo aí.

Link da Wikipedia sobre Tchekov

Bonito, hein?

Descobrir o Brasil foi tarefa difícil para Pedro Álvares Cabral e continua sendo para os próprios brasileiros. Em geral, para o gaúcho, é mais fácil ir para o Chile, Argentina, Uruguai do que para São Paulo, que é no mesmo país. São Paulo e Buenos Aires são igualmente distantes de Porto Alegre, mas Buenos Aires tem passagem mais barata e serviço de bordo — tanto via terrestre, como via aérea — muito mais vantajosos. No fim, os hermanos acabam sendo mais atrativos do que deveriam, infelizmente.

Enfim… depois da reclamação, devo dizer que viajar no Brasil é muito bacana, considerando o pequeno roteiro que fiz nos últimos dias. Na verdade, viajar, para mim, é o máximo: mesmo que seja para um sítio de Viamão.

Fui para Bonito, no Mato Grosso do Sul, e o lugar é muito lindo! Só belezas naturais, turismo ecológico, somado ao fato de gente muito educada e receptiva. Foi excelente! Fui a outros lugares, também, ao longo das férias, mas com o tempo vou colocando as impressões.

Por hora, deixo algumas fotos, para ver se Bonito não deveria se chamar Maravilhoso.

dsc06614.jpg
dsc06684.jpg
dsc06634.jpg
E então, Bonito, hein?