A terrível e emocionante tarefa de relacionar-se

Relacionar-se é, por definição, necessário. Ninguém vive sem ajuda de ninguém; ninguém se cria sozinho. Isso poderia exercitar naturalmente nossa humildade; mas com o avanço da idade, penso que isso tende a diminuir consideravelmente. Pensamos com uma individualidade liberal, desconsiderando todos os Freuds e os Wallons que existem por trás de cada ato individual, único e individualista.

Para mim, relacionar-se é frustrar-se muitas e muitas e muitas e muitas vezes. Eu não sei se ceder é ordem natural das coisas, mas sei que me custa muito. Ver as coisas pelo lado racional ou por outro ponto de vista (que não o meu), também: custa, custa, custa (!). Sempre tenho a impressão de que cada passo que dou em prol das relações é um abismo de esforço — e o pior, é mesmo, é um esforço cada dia mais sobre-humano, para mim. Nunca sei se eu é quem sou a estranha ou se isso é inerente aos seres humanos.

Ultimamente, tendo a dizer que isso é muito humano. E explico: não apenas eu, mas quase todas as minhas relações super-diretas tendem a se defender, usando a sua racionalidade. Por muito tempo, eu me achei racional e usava esse artifício. Hoje, não consigo mais acreditar nisso: tudo o que faço, na hora de me relacionar com outrem, é tentar defender minha vontade sobre a outra vontade, sem ter nenhuma razão e nenhuma lógica nos desejos. É tudo um jogo de interesses e de frustrações. Quando digo que meu ponto de vista é racional e lógico, sei que estou sendo cínica, comigo e com o outro.

Ainda não entendo por que seguimos nessa dinâmica; por que essas pessoas continuam sendo tão importantes, mesmo eventualmente nos ferindo; por que não trocamos a via do jogo; por que não conseguimos viver sozinhos. Talvez seja instinto de sobrevivência, talvez seja uma tendência genética de nos sublimarmos dia-a-dia, não sei.

Sei que se frustrar para ver o outro contemplado é um saco. Mas cada dia que passa, penso que isso é a vida, mesmo. Sei que daqui há pouco é o contrário: mas o contrário eu — e toda a humanidade — não enxergo, vejo só onde me dói o sapato. Isso é tão humano e tão sórdido, que às vezes penso que os cachorros são, mesmo, mais evoluídos do que nós: se doam por nada ou por muito pouco.

Mas a cada dia que passa, percebo que as pessoas que amamos não são quem nós queríamos que fossem. Eu sei que estou dizendo algo quase infantil, mas ver as relações dessa forma me parece mais adulto a cada dia. Existe um hiato abissal entre a vontade e a realidade. Vejo que essas pessoas que amamos não topam tudo por nós. Quando olho mais de perto, penso que nem eu topo tudo por elas, e nem topo tudo por mim mesma. Não me reconheço diariamente, apesar de me esforçar incessantemente para me enxergar com lente de aumento. E é essa dinâmica de deixar-se levar, junto com uma preguiça habitual e com os comodismos diários que nos levam para frente nas relações. Para nossa sorte é dessa forma: poderia ser, ainda, pior.

Ser sincero nas relações pode até ser louvável e recomendável. Pode contribuir, pode ajudar. Mas equacionar vontades e gênios — com ou sem sinceridade — é a única virtude que eu gostaria de ter e a única virtude que eu gostaria de receber.

.

.

.

.

.

==> EM TEMPO:

Trilha sonora do post: Meu fado meu, de Mariza:

A letra tem tudo a ver com Fernando Pessoa e Cesáreo Verde! Fala de saudade, solidão e constituir-se como pessoa. Não linka exatamente com esse post, mas letra+música são emocionantes.

3 comentários (+add yours?)

  1. Mauro
    Mar 23, 2008 @ 06:12:44

    Em síntese
    é a dielética de Marx
    ou apenas uma de suas afirmações, a Práxis, que Antônio Gramsci
    passou a vida estudando.

    Mas é cruelmente doce e emocionante essa árdua e leve
    tarefa de relacionar-se.

    Amei o texto

    abraço tica

    Mauro Marques

    Responder

  2. memoriadeiguana
    Abr 13, 2008 @ 01:15:54

    corajoso o teu texto, virar-se do avesso assim não acontece toda hora.
    já penso em que herdamos bens e idéias e, por algum impulso obscuro ou inconsciente, teremos que defender um território que não saberemos nunca onde começa ou termina. território afeitvo, gérmen original de uma humanidade futura?
    realmente, os cães se doam, e, talvez, o mundo cão do senso comum não seja tão ruim assim.

    beijocas, nina.

    Responder

  3. Nathalia
    Maio 02, 2008 @ 06:09:16

    Olá Nina,
    Vem aqui só para deixar um oi para você!
    bjos

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: