“Moça, ele é meu.”

Para tirar as teias de aranha do brinquedinho aqui, decidi contar uma historinha não muito legal, mas acho importante compartilhar, já que foi uma situação meio (bem!) dantesca.

Quinta passada, eu estava caminhando, era cerca de 20h, num cruzamento de duas avenidas grandes, aqui em Porto Alegre (ora, onde mais?). Daí vi que tinham muitas pessoas olhando um piá, de cerca de seis anos, fazendo o maior fiasco. Mas era um fiasco maiúsculo! Sabe, tipo, daqueles de mandar internar! O menino estava bem vestido, limpinho, calçado, enfim, nada que pudesse dizer que ele era garoto de rua, por exemplo. Um monte de pessoas ia caminhando, fazendo suas coisas e ficavam olhando para trás, vendo aquela situação que chamava atenção, mas o gurizinho seguia gritando, vermelho, irritadíssimo, xiliquento, como se não houvesse amanhã.

Bem, vi que a criatura estava sozinha e fui ver como levar para casa, para polícia, sei lá. Mas daí percebi o que ele dizia: “Eu quero o computador! Não quero sair do computador! Cadê minha mãe! Mãe, quero ficar no computador!”. Enfim, era uma birra. Fiquei procurando ver se tinha alguém na volta, não tinha ninguém, daí fui falar com o piá, tentei acalmar o guri conversando com ele, ele foi parando de chorar e de gritar, ficou procurando a mãe, meio desesperado e me explicou que a mãe foi buscá-lo na casa da avó, que ele estava no computador e que a mãe o obrigou a ir embora, que tinham de ir para casa, daí ele saiu do computador. Ele disse que a mãe falou para ele ficar lá fazendo birra na rua (de noite, sozinho) e, se ele quisesse, que fosse atrás dela, mas sem discussão. Perguntei onde a vó morava, ele sabia me explicar e eu ia levar ele lá. Antes, pedi se ele queria uma água para se acalmar, que eu ia comprar para ele. Tipo, a malinha berrante virou um chuchuzinho de pessoa em cinco minutos.

Quando me virei, para ir buscar a água, uma mulher me diz assim: “Moça, ele é meu.” e eu pensei: “Ah, vá! É ‘memo’?” A mulher foi longe, porque não vi nem a sombra dela enquanto olhava em volta para achar a mãe da criança. Ela demorou para voltar, porque deu tempo de ele se acalmar, contar a vida dele, explicar sobre o computador… O guri voltou a se revoltar com a mãe gritando pelo computador, mas daí eu já não tinha mais o que fazer. Vi só a mãe dando um celular para a criança, acho que para o guri falar com o pai, porque a mulher disse: “Teu filho tá fazendo escândalo e me fazendo passar vergonha na rua. Fez showzinho para os estranhos. Fala com ele!”. Achei muito boa, essa: ela some e deixa o piá sozinho, daí, quando volta, o filho é dela, mas, na hora de xingar, o filho é do pai.

A criança estava realmente chata, bem insuportável, mesmo. Mas o mais irritante é  ver essa gente que não quer ser adulto na hora que lhe cabe, tipo a mãe dele. Deixar o piá sozinho, de noite, na rua, em Porto Alegre, não é só falta de responsabilidade, é falta de massa cinzenta, mesmo.

Obviamente fiquei nervosa com a situação, também. Não sabia o que fazer com uma criança desconhecida, como deixá-lo em uma situação segura, o que dizer para o menino. Por uns minutos, me vi um pouco desconcertada, enfim. Acho incrível como uma situação com criança nos incomoda e, de certa forma, revolta. Não que eu tenha descoberto isso hoje — afinal, são mais de dez anos trabalhando com crianças –, mas sempre que se passa por isso, a gente fica meio sensível com a situação.

1 Comentário (+add yours?)

  1. Edna
    Mar 22, 2011 @ 22:46:13

    Aposto que você escolheu a palavra “piá” a dedo, pra nenhum desavisado confundir o guri com algum animalzinho de pequeno porte… 😀

    Beijo!

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: