O humor de mau humor

Tenho acompanhado umas discussões no Twitter e na internet sobre com o que se pode e com o que não se pode fazer piada. Ao mesmo tempo, faz uns dias que vi Brüno, o filme mais recente do Sacha Baron Cohen, o cara que também fez Borat, e estava bem a fim de comentar esse filme aqui. Calhou que a discussão do Twitter me deu mais motivação a escrever sobre o filme.

O Sacha é um ator, mas sua formação acadêmica é de historiador, em que seu trabalho de pesquisa consistia em estudar preconceitos do mundo. Além disso, ele profere a fé judaica. Quer dizer, o cara poderia ter sido um baita patrulhador da comédia — que é uma prática social que aponta os preconceitos –, mas acabou falando de discriminação através do próprio viés humorístico. Mas o que eu acho realmente interessante nos seus filmes é que ele disseca uma porção de preconceitos, através de um personagem que vai até o fim. O ator, o roteirista e o diretor não têm medo de misturar real com ficção, de mostrar escatologias, de achar graça de uma porção de preconceitos, mas, principalmente, eles não têm medo de ir até o fundo do humor, até onde não se sabe se é humor ou asco, até onde o público se confunda e diga: “isso é muito engraçado e, moralmente, é péssimo eu rir disso!” Eu o admiro porque ele é ácido e é politicamente incorreto, porque ele debocha sem restrições e porque ele consegue abordar ao mesmo tempo a graça do absurdo e a graça do escárnio. E sua proposta de fazer pensar sobre o preconceito ou ver o quanto somos preconceituosos e cruéis passa pelo riso provocado pela comédia — porque o trágico torna-se cômico (clichê total, mas total verídico!).

Incrivelmente, no fim do filme Brüno, conseguiram fazer um deboche de canções humanitárias — tipo “We are the world” — e chamaram para cantar com o Brüno uma porção de gente politicamente correta. Quer dizer, os caras que realizaram o filme conseguiram fazer participar desse deboche gente que é famosa por ser totalmente politicamente correta, tipo o Bono Vox ou o Chris Martin. Acho que esse foi um de meus maiores espantos no filme. Entenda o absurdo: Brüno é politicamente incorreto e, para ser uma celebridade, decide fazer uma música de paz — quer dizer, a música de paz é apenas para alavancar sua carreira, fato que já é uma banalização, no filme –; mas quem participa dessa canção, com Brüno, são as pessoas que, em tese, apoiam e realizam ações humanitárias com esse tipo de canção. Bem, Sacha está debochando de celebridades com as próprias celebridades.

Quando Brüno estava no cinema aqui no Brasil, eu li uma porção de tweets de artistas e/ou comunicadores que falavam da acidez do cara, mas que sempre elogiavam. Daí, essa semana, houve uma atucanação com o Danilo Gentili, sobre a volta da Hebe, enfim. Enquanto estava sendo exibido o programa dela, o Danilo disse no Twitter que o SBT passava o “Retorno da múmia”. Aqui em casa, rimos a valer. Mas o pessoal no Twitter — sobretudo uma porçao de gente que eu não sigo — ficou meio irritado com essa história do Gentili chamar a Hebe de múmia. Na verdade, eu já previa que isso aconteceria quando li o tweet dele. Fiquei me perguntando se o mesmo pessoal do Twitter que recomendou Brüno foi quem enxovalhou o Gentili (será?). Mas a piadinha com a Hebe, sei lá, simples e boa — não excelente, mas engraçadinha. Não quero defender a pessoa do Gentili, porque não me formei em Direito e acho que ele é grande para poder fazer isso sozinho. Acho, honestamente, que muitas vezes ele tem síndrome do Sacha Baron Cohen e não vê limites no seu humor — o que não é bom nem mau, é apenas uma característica. Mas penso que, do ponto de vista de experimentação humorística, a transgressão é legal. “Não ver limites no seu humor”, na minha opinião, é fazer graça até o limite da comédia, até onde a piada seja realmente mau gosto. O que penso é que para saber os limites, é preciso transgredir. E pensei isso quase o tempo todo em Brüno. Só que é piada, então podemos rir ou não no final, ao invés de ficar ofendidos.

Eu me ofendo quando riem de uma característica minha que eu não goste ou, principalmente, não aceite. Isso não funciona só comigo, funciona com todo mundo. É uma questão humana. E eu acredito que é sinal de maturidade saber rir do que não é interessante em si mesmo. O recalque surge disso: do fato de não saber lidar com os próprios erros/defeitos, do fato de muita gente acreditar em verdades imutáveis e do fato de a pessoa não aceitar que concorda que a Hebe é velha, mesmo. Veja que o Gentili não debochou do câncer — o que, sim, poderia beirar o mau gosto e que eu acredito que foi o agravante do coitadismo “em defesa da Hebe” no Twitter. Acho que ter coragem ao lidar com um câncer é admirável, mas isso não está sendo posto aqui e acho que nem estava sendo sugerido pela piada do cara.

Outra coisa interessante de se observar é que parece que Brüno pode debochar de celebridades internacionais, mas nós, brasileiros, não podemos rir das nossas. Rir da celebridade internacional, beleza; das nossas, é falta de educação. Existe uma aura mágica em torno das celebridades e adjacências, essa aura sugere que as piadas com celebridades sejam ofensivas ou virem motivo para falar que comediante tal “quer ser famoso com uma polêmica”. Acho muito mais nocivo tentar ser famoso com polêmicas como uma imitação mirim da Lady Gaga ou como um ensaio sensual com o filho e chamando-o de “o meu Jesus Luz”. Essas polêmicas beiram ou às vezes se afundam no mau gosto e a gente nem consegue rir da situação, justamente porque não são piadas. Dizer que um humorista quer se promover às custas dos outros — inclusive de celebridades — é verdade e não vejo nada de errado nisso. Afinal, como Chico Anysio, Arnauld Rodrigues ou Tom Cavalcante (só para citar uns caras considerados “unânimes”) se constituiriam humoristas sem deboches, paródias, imitações? Como fazer rir com um assunto/pessoa desconhecidos? O material humano — celebridade ou não — é a matéria-prima do comediante, afinal, ele precisa te ver na fila do banco, na compra do apartamento, na festa de debutantes.  Ou a homofobia de que Sacha Baron Cohen faz graça é um fenômeno não observado, é um fato de outro planeta? Por isso, penso que o comediante só pode se promover às custas dos outros ou, ainda, de si mesmo.

Discordo do Gentili e de outros tuiteiros sobre essa coisa de “patrulha do politicamente correto”, porque me parece pouco precisa. Acredito, mesmo, na “patrulha da celebridade”, em que parece que pessoas reconhecidas publicamente não podem ser alvo de uma brincadeira. A patrulha da celebridade é pior do que a patrulha do politicamente correto, porque contribui para esse endeusamento. Não acho que a Hebe ou quaisquer outras pessoas precisem disso, nem acho que as pessoas precisem endeusar uma celebridade. Reconhecimento é diferente de endeusamento. E não acho que a Hebe seja menos gente do que eu, tu, o Danilo Gentili ou nossos vizinhos só porque é celebridade.

Links relacionados:

“Aí é que está a graça” (texto do Gentili)

Em entrevista, Danilo Gentili comenta com acidez o assunto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: