Blogues

Tenho me dedicado a ler blogues nessa época de “quase-férias”.  Eu acho bem interessante, porque é uma forma de ver como as pessoas comentam o que se passa ao redor delas. Estou bem mais fora de contato com notícias do que com opiniões diversas e esparsas que leio nos blogues.

Eu acho incrivelmente bacana como existem pessoas com quem a gente se identifica via blogue. Parece que existe um mosaico de pessoas interligadas via internet, mas que nunca se conhecerão e jamais conseguirão desenvolver juntas suas ideias. Quer dizer, paradoxalmente, a internet aproxima e afasta as pessoas, ao mesmo tempo. Essa conexão que nos une é o que motiva, também, que fiquemos isolados.

Eu leio também blogues de pessoas que pensam bem diferente de mim. E aprendo a respeitar outra visão. Por exemplo, li no blogue da minha ex-aluna Tamara (http://tamaraotilia.blogspot.com) uns comentários de outro blogue, do Jornal do Brasil, falando da Dilma. Daí vi como a gente tem essa cabeça feita de links: a Tamara usou a opinião da jornalista (jornalista dá opinião???) do Jornal do Brasil para mostrar a sua e eu comentei que discordo da jornalista e, por conseguinte, da Tamara. Esse link-que-leva-a-outro-link fomenta o pensamento e a discussão. E me expõe. Para um ou dois leitores, mas me expõe; assim como expõe a quaisquer outros blogueiros.

Os blogues adolescentes são especialmente interessantes, porque substituem a antiga escrita do diário. E desenvolvem o comentário sobre sua própria vida. Às vezes isso acaba indo para o lado positivo, às vezes, não. Basta ver blogues que incentivam a anorexia ou o neonazismo. Mas é legal, também, ver que no mar de pessimismos sobre a juventude tem gente que — como a Tamara ou a Thayná (http://nanalougue.tumblr.com) — pensa e reflete sobre sua própria existência e sobre os assuntos de sua geração.

Eu acompanho, MUITO, os blogues dos caras do CQC. E recomendo! Os blogues do Rafael Cortez (http://rafael.cortez.zip.net) e o do Danilo Gentili (http://danilogentili.zip.net) são meus preferidos. Não porque eles são engraçadinhos e ficam fazendo piadinhas no blogue deles — o que quase nunca é verdade –, mas porque eles usam o blogue para comentar suas verdades pessoais, mesmo. De certa forma, tenho um acesso à intimidade de seus pensamentos que não cabe no trabalho. Por outro lado, o blogue ajuda-os na divulgação do trabalho e ironicamente afasta de certa forma o cara que é fã. Afasta, sim, porque faz com que o fã acompanhe a vida desses caras na sua casa, na intimidade de seu computador. Aproxima, também, porque o fã vai no shô do cara, vai ajudar a divulgar o trabalho, mas a interação, mesmo, é bem reduzida.

O blogue, então, serve de vitrine para quem quer saber o que pensa o profissional que aparece no teatro ou na TV, mas nunca encontrará o sujeito na rua para perguntar, comentar, explicar tal comentário. E, muito provavelmente, nunca saberá o quão mala essa pessoa pode ser, quando estiver de carne e osso. Até eu — que nem famosa sou — sou mais inteligente e interessante no blogue do que na vida real, apesar de o blogue ser feito de vida real e fazer algumas verdades da minha vida!

Sabe, não é só um canal de interação, mas é um canal de reflexão. Às vezes os blogueiros são mais próximos a minha maneira de pensar do que muitos dos meus amigos, ou seja, volto à questão de que a internet nos une e nos afasta. É bastante improvável que eu sente para discutir as coisas que penso num boteco com o Cortez, o Gentili, a Tamara, a Thayná ou com outros blogueiros famosos ou anônimos que eu me identifico, porque o espaço para discutir o que eu penso é esse aqui, do blogue. Na verdade, percebi que até com meu amigo de conversas e comentários infinitos — o Alê (http://alemartinazzo.blogspot.com) — acabo deixando os assuntos que surgem nos nossos blogues lá mesmo. Ou seja, os blogues são espaços para as discussões e/ou devaneios e, quando falamos, nunca é sobre o que deixamos escrito nos nossos respectivos blogues. É como a letra de uma canção que nos toca: ela faz sentido para as pessoas no momento em que escutamos a música e, mesmo que nos tornássemos os melhores amigos do compositor, não discutiríamos tão bem sobre a canção como naquele espaço em que ela se faz presente.

Esse meio de internet, esse pensamento linkado é uma forma totalmente diferente de encarar as coisas da vida, se compararmos com dez anos atrás, por exemplo. É um jeito de fazer parte da vida alheia sem estar presente. Apesar de isso ser super criticado (“ah, a frieza que a internet traz nas relações…”), não é uma coisa totalmente ruim. É um novo jeito de se relacionar e relacionar formas de entender e pensar as coisas ao nosso redor.

Eu recomendo a leitura dos blogues linkados nesse post, assim como os blogues linkados na barra à direita. Concordar, discordar, conectar-se são jeitos de aprender a viver por aqui, nessa bolha virtual.

Autor:

Dinda, tia e "sora". Uma mulher ordinariamente comum, que tem qualidades simples e defeitos reles.

5 opiniões sobre “Blogues

  1. Aaah! Falando em blog, queres ler algum devaneio meu? (podes apagar esse post caso tu não queira propagandas aqui, rsrs): devaneiosdecarol.blogspot.com. Beijo!

  2. Carol, eu não gostei do design. Tá ruim de ler (cegueta é fogo). Aquele “olhar” da foto tb não me traz serenidade…….Gosto mais do outro, mas o importante é quer a Tica continua escrevendo bem a beça né?
    Ainda bem que isso não mudou!
    Ufaaaaaaaaaaaaaaaa.
    Parabéns Tica, gostei da tua volta, mas volta outras vezes, com outra roupagem rsrsrsrsr
    bjs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s