O Estado do Rio Grande do Sul e a Educação (mais uma vez)

Existe, nos últimos anos, uma comoção e um consenso geral de que a Educação é prioridade para o progresso e para o avanço de uma nação. Considerando o cenário brasileiro, há muitas ações que visam qualificar a Educação Nacional e já temos algumas respostas positivas dos Estados e Municípios nesse sentido. Porém, esse avanço ainda é insignificante diante dos desafios e discrepâncias nacionais, considerando que ainda contamos com diferenças gritantes, se compararmos escola a escola. Se por um lado temos escolas públicas que recebem diversos incentivos e uma rede de apoio – como, por exemplo, os colégios federais – temos, ainda, escolas que atendem quatro séries na mesma sala simultaneamente. E não precisamos ir longe para ver essa discrepância: nosso Estado é berço dessas duas realidades.

As prefeituras, ano a ano, estão buscando aperfeiçoar seus sistemas de educação, sobretudo depois de vários incentivos que vêm de fundos para a Educação Básica. Cada vez mais, professores dos municípios brasileiros são incentivados aos estudos e têm horário dedicado ao planejamento e avaliação de aulas; ou seja, existe uma estrutura que busca a melhora da competência profissional dentro das escolas. A mesma coisa não é praticada no nosso Estado. Há alguns anos, o Estado do Rio Grande do Sul era considerado um pólo de Educação e Cultura. Mas atualmente, apesar da boa qualificação de nossos professores, vemos paulatinamente a queda qualitativa da estrutura escolar.

Infelizmente, com o passar dos anos, nossos secretários de Educação foram tratando nossos alunos como clientela e essa nova relação abriu espaço para a política de que o cliente sempre tem razão. Logo, a Escola e os professores se tornaram vilões do sistema de ensino, já que o educador não tem mais prestígio profissional. A desmoralização do professor, nesse Estado, começa no salário e se estende até a sala de aula. Se existe consenso de que valorizar o professor é prioridade nacional – e, em função disso, foi criada uma Lei que garante o piso mínimo nacional para a classe – vivenciamos a contra-mão disso, uma vez que o Estado é o ilegal da vez, descumprindo a Lei, ao deixar de pagar o piso e ao deixar de permitir que seus professores tenham um terço da sua hora semanal de trabalho dedicada em atividades sem alunos (com planejamentos, aperfeiçoamentos e correção de tarefas, por exemplo). A maior parte das profissões termina seu expediente e vai para casa descansar e cuidar de sua vida pessoal. Com os professores – pelo menos os do Estado do Rio Grande do Sul – isso não acontece, já que é preciso levar boa parte do trabalho para casa: um espaço que não deveria ser dedicado a atividades profissionais.

O baixo salário leva a falta de saúde mental através, principalmente, de dois caminhos. O primeiro caminho é o fato de que os professores, para manter minimamente suas vidas, precisam aumentar a carga horária semanal, muitos trabalhando sessenta horas semanais. Não é possível acreditar que alguém em sã consciência seja capaz de ser eficiente e atento durante sessenta horas semanais de trabalho, ainda mais em uma atividade intelectual. O segundo caminho que leva à falta de saúde mental está ligado ao fato de que o professor suporta uma carga de trabalho que o salário não consegue suprir. O maior motivo de desestímulo dos educadores está no pouco resultado de suas ações frente à sociedade. Nada é permitido ao professor e à escola, de modo que nada pune o que está errado e nada parece colaborar com o que há de bom nas escolas. A estrutura escolar não dá conta de trabalhar com delinqüência, desestrutura social e afetiva, má índole, falta de caráter, violência doméstica, carência material e afetiva, entre tantas outras coisas que são vistas nas escolas. E o professor está sozinho para lidar com essas crises sociais, sem ter preparo técnico e científico para isso. O professor não conseguirá ensinar com qualidade num ambiente que já está doente; ao contrário, o professor passa a fazer parte dessa doença coletiva. Se ao menos houvesse salário digno e tempo para planejar e avaliar a prática no seu horário de trabalho, o professor poderia fazer suas horas semanais, depois ir ao teatro, ler, passear e voltar para sua atividade profissional com a mente sã. Mas o Estado do Rio Grande do Sul não quer seu professor assim, porque ilegalmente não acata uma Lei que valoriza seu profissional e continua investindo apenas 227 reais de salário básico por vinte horas semanais para seus professores.

Salário digno, tempo de estudo e planejamento, dignidade social são pilares para uma educação de qualidade e são a garantia de saúde mental para os educadores. Pois, se os professores que são o material humano que o Estado conta para que a Educação aconteça não recebem o menor respeito, como se pode esperar que o aluno o respeite? Como exigir qualidade de um profissional como esse? Como exigir que nossos alunos façam bons exames nacionais?

Enquanto o Brasil inteiro está apostando em uma Nova Educação, estamos vivendo um retrocesso que nos encaminha para um medievalismo. É muito triste ver que nosso Estado está na contra-mão do progresso, da saúde, dos direitos do cidadão, dos valores essenciais para o crescimento social. Desvalorizando a Educação do Rio Grande do Sul, empobreceremos monetariamente, socialmente e culturalmente. E o orgulho desse Estado ficará cada vez mais num passado distante.

Advertisements

7 comentários (+add yours?)

  1. Lilian Ribeiro
    Set 27, 2008 @ 19:45:46

    Oi Nina,
    Todos nós professores deste estado concordamos com a tua postagem, estamos indignados, cansados, sem estímulo nenhum para exercermos com prazer nossas atividades de professores, leia-se falta de condições de trabalho digno e falta de respeito total das autoridades e da população em geral que acha que “o professor sempre é o culpado e o aluno sempre tem a razão”, inversão total de valores???
    Quando trabalhei à tarde na escola vi mães de alunos dizendo as piores palavras e gritando com professores de seus filhos sem o menor respeito humano e profissional e o que é pior na frente de alunos que estavam por perto, e que se tiverem que repetir os fatos eles então o farão pois estão bem protegidos por esses pais, mães e por todo um aparato da própria Secretaria de Educação, que enquanto pertencer a política partidaria deste estado, não promete muitas mudanças.
    Estamos fragilizados com tanto desrespeito social e humano e parece que ninguém percebe ou não quer perceber e assim nos sentimos sozinhos nesta caminhada nada saudável. Me pergunto até quando aguentaremos tudo isso?
    Bjos, Lilian Ribeiro.

    Responder

  2. Marina
    Set 27, 2008 @ 22:23:24

    Nina, gostei muito do texto que escreveste.
    Porém enfatizaria mais coisas como: a violência na escola, o desrespeito dos pais e alunos, a falta de pessoal nas escolas para lidar com situações que acaba para o professor ter que solucionar, escolas abandonadas, estrutura caindo, etc etc etc .

    Responder

  3. martacosta
    Out 13, 2008 @ 13:20:50

    «Nada é permanente neste mundo cruel. Nem mesmo os nossos problemas.»

    Visite e participe no fórum «Cais112» onde pode falar de tudo que esteja relacionado com saúde, desemprego, sociedade, desabafos, etc.

    Para que possa encontrar ajuda e ajudar o próximo com as sua experiências.

    Visite-nos e faça do «Cais112» um cais de interajuda para quem mais precisa!

    http://www.cais112.com

    Responder

  4. Jéssica
    Fev 28, 2011 @ 17:23:53

    Sou uma estudante do Ensino Médio e gostei muito do seu texto.
    Vou levá-lo para compartilhar com meus colegas e professores como parte de uma pesquisa que estamos fazendo sobre a educação no RS.
    Estou citando seu nome e site junto com o texto.
    Desde já agradeço sua compreensão
    Jéssica

    Responder

  5. Yure
    Jul 14, 2011 @ 01:47:30

    Neste verão resolvi fazer algo diferente , resolvi ficar em minha casa, tomando meu banho de picina , nesse sol maravilhoso de Madri e acompanhado de bons drinks !

    Responder

  6. jemima abreu
    Set 17, 2012 @ 19:51:09

    legallllll!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: